Aedes aegypti: zoonoses reforça orientações de cuidados em casa

Rotina: agente de zoonoses orienta moradores

Rotina: agente de zoonoses orienta moradores

A rotina da agente de zoonoses Maria Inês de Souza está cada dia mais intensa. Inês é responsável pela triagem e encaminhamento dos pedidos, denúncias e reclamações que chegam diariamente ao Centro de Vigilância e Controle de Zoonoses, relacionadas ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus.

Com o aumento dos casos de dengue no último ano e o surgimento de novas doenças transmitidas pelo mosquito, cresceu também a preocupação da população. Em 2014, o Centro de Zoonoses recebeu 7.293 pedidos apenas pelo serviço 156 (telefone e internet). Desse total, 370 casos (ou 5%) eram relacionados ao Aedes aegypti. Já em 2015, foram 8.469 demandas via 156, sendo 1.529 relacionadas ao mosquito da dengue, o que representa quase 20% do total.

“Precisamos fazer uma triagem para agendar as vistorias, porque muitos pedidos não necessitam da visita de um agente. Tem situação que a coleta reciclável, o cata-treco ou o próprio munícipe resolvem”, explica Inês.

Algumas pessoas entram com pedido no 156 por causa de uma latinha jogada num terreno. Nesses casos, orienta a agente de zoonoses, o próprio munícipe pode resolver recolhendo e eliminando a água acumulada. Quando não há necessidade de agendar a visita do agente, o morador recebe todas as orientações de como proceder em cada caso.

Segundo Inês, há ainda muitos pedidos para aplicação de veneno, o chamado fumacê. “Mas isso não é solução, pois só mata o mosquito vivo e temos de eliminar os objetos que acumulam água parada. Esse é o principal alvo na luta para combater e prevenir a dengue e outras doenças transmitidas pelo Aedes. Todos nós somos agentes e podemos eliminar os criadouros.”

Vale reforçar algumas dicas para eliminar criadouro, como guardar pneus em locais secos e cobertos, manter o lixo tampado, guardar garrafas vazias de boca para baixo, tampar a caixa d’água, armazenar adequadamente os materiais recicláveis, tampar os ralos, manter terrenos e imóveis vazios limpos e não usar pratos nos vasos de plantas.

Os principais sintomas da dengue são febre alta, dor de cabeça, dor no fundo dos olhos, falta de apetite, dores nas articulações, fraqueza, e manchas pelo corpo. Já no caso da chikungunya, dores intensas nas articulações com edema, e no caso de zika, coceira.

Niza Souza
Foto: Alessandro Rosman


Publicada em 11/01/2016

UVZ Unidade de Vigilância de Zoonoses Jundiaí
Prefeitura de Jundiaí Avenida da Liberdade, s/nº - Jardim Botânico - CEP 13214-900 - Telefone: (11) 4589-8400
Combate ao Aedes | Desenvolvido por CIJUN